Análise | Children of Zodiarcs

Uma das coisas que mais empolgam o fã de um gênero é a inovação, e dessa fonte Children of Zodiarcs bebe sem moderação. Esse novo SRPG traz uma interessante combinação de elementos clássicos do gênero, cardgame e jogo de dados, algo que soa até estranho na primeira vez, porém torna-se empolgante de desafiador ao jogar.

O jogo – financiado com sucesso no Kickstarter (arrecadou 259.593,00 dólares canadenses de 50.000 solicitados) – foi desenvolvido pela Cardboard Utopia, uma nova empresa que conta com veteranos da indústria responsáveis por jogos como Eternal Darkness, Assassin’s Creed BrotherhoodThe Warriors e Far Cry 3Não é à toa que o título conta com beleza gráfica a altura de seu interessante sistema de batalha e nível de desafio.

A história do game fala do já conhecido tema da rivalidade entre uma sociedade comandada pelos ricos e os menos favorecidos, e da forma com que a jovem Nahmi e seus companheiros precisam infiltra-se nos aposentos mais protegidos para roubar um artefato místico, um ZodiarcPor causa disso, eles são impiedosamente perseguidos pelas autoridades, obrigando-os a fugir pelas favelas e catacumbas desprovidas de sol, enquanto são perseguidos por guardas imperiais, gangues rivais e até mesmo um clã de canibais subterrâneos.

Apesar da história ser até mais rica – e sombria – do que aparenta, o brilho de Children of Zodiarcs está no seu ousado sistema de batalha. O que inicialmente aparenta ser um tradicional Role Playing Game de estratégia, com personagens movimentando-se pela grade do cenário em turnos, desenvolve-se completamente ao primeiro ataque.

Cada personagem tem um deck de cartas, que consistem em suas habilidades (ataques físicos, ou magias de curas, suporte ou status negativos). Ao utilizar qualquer uma delas, você precisa jogar dados como em um RPG de mesa. Esses tem diversos símbolos em uma das suas seis faces: gemas, escudos, estrelas, relâmpagos e ícones de cartas, para os status positivos. Todavia, faces vermelhas subtraem pontos.

As gemas adicionam números para ataques ou curas, escudos incrementam sua defesa em caso de contra-ataques, as estrelas são necessárias para ativar habilidades extras indicadas nas cartas, os raros relâmpagos dão uma ação extra e os ícones de cartas trazem cartas extras ao final do turno. Apesar de aparentar ser muita informação, você entende a mecânica rapidamente e é incrível como isso adiciona emoção, estratégia e pitadas de sorte (para não dizer torcida) a cada batalha ou ação tomada.

O mesmo pode ser dito das cartas. É mais que vital ler a descrição delas, para entender as informações extras trazidas por cada uma, como os efeitos adicionais liberados (caso as condições sejam encontradas, como um número x de estrelas nos dados). Além disso, várias delas têm alcance e áreas de efeito diferenciadas, por isso sempre verifique tais informações ao menos na primeira vez em que for utilizá-la.

Ao ganhar níveis com seus personagens, você não somente libera novas cartas, como também evolui as que já possui. Eis mais um motivo para consultá-las novamente, pois elas recebem mais dados bônus de dano, cura ou efeitos, além de receber novos efeitos. Também é possível editar o deck de cada personagem, escolhendo quais cartas levar para suas batalhas, desde que seja respeitado o mínimo de 18 cards.

Os dados têm opções de customização semelhantes. É possível mudar quais você quer usar em seus slots, para levar faces com efeitos de rolagem mais apropriados à sua estratégia, como também pode editar as faces de um dado. Essa alteração envolve custos, que são pagos com faces de outros poliedros que você possui, daí use essa modificação com sabedoria. Vale observar que nem todas essas opções estão disponíveis desde o início, mas serão liberadas à medida em que você vai vencendo batalhas.

Por falar nelas, há mais do que as missões principais. Você tem as skirmishes, ou seja, a opção de revisitar fases já vencidas, para enfrentar inimigos visando mais pontos de experiência para evoluir seu time. Observe que há elite skirmishes, como o nome já dá a entender, mais difíceis e desafiadoras.

Não que o título precise, pois o nível normal (além dele há o hard) já é deveras desafiador. Para falar a verdade, Children of Zodiarcs é um jogo onde o computador sabe batalhar até bem demais e é improvável que você consiga passar por todas as missões sem algumas visitas às batalhas extras ou à arena. A arena é um campo de batalha opcional, com várias lutas de nível de desafio extra e boas recompensas. Por último, há side missions que mostram um pouco mais do que está acontecendo com outros envolvidos da história, ao mesmo tempo em que a história do seu grupo principal progride.

Contudo, nem tudo são flores. Se o trabalho gráfico é lindo, as animações deixam um pouco a desejar e o mapa nem sempre ajuda, obrigando você a buscar o melhor ângulo, que nem sempre poderá ser encontrado. O mesmo pode ser dito da espera pela ação dos inimigos. Às vezes é agonizante esperar que todos eles terminem suas ações. Essa análise foi feita na versão do PlayStation 4, porém é interessante ressaltar que nos fóruns da Steam há um post oficial onde os desenvolvedores prometeram a função de avanço rápido do turno do adversário (oremos, pois até o fechamento desta matéria nada feito).

E é uma pena, mas não há lá muita coisa para fazer a não ser batalhar. Diferente de outros títulos desse gênero – como os incríveis Final Fantasy Tactics, Ogre Battle ou Disgaea -, você não tem um sistema de profissões, criação de outros personagens ou demais coisas que são favoritas de adeptos de Strategy RPGs.

Children of Zodiarcs é uma nova entrada nos SRPGs, graças às inovações de seu interessante e muito divertido sistema de combate. É empolgante montar táticas de combate, sempre visando as costas do oponente (para evitar os contra-ataques) e ainda torcer pelos dados.

Por mais que sua história tenha pontos altos e baixos, é um game que merece a atenção de qualquer fã do estilo, provando-se bem desafiador. Mais legal ainda ao saber que os desenvolvedores visam lançar atualizações para melhorar ainda mais a experiência em todas as plataformas disponíveis (PS4, MacOS e Windows – via Steam). Aventure-se e esteja pronto para o combate.

Author: Jeancarlos Mota

Games Editor, geek multi-classe e fã de esportes que acredita que bom mesmo é jogar games, pouco importa a plataforma.

Share This Post On