BGS 2016 | Colocamos nossas mãos em For Honor

Um dos jogos que eu estava babando para colocar as mãos em cima é um dos novos títulos da Ubisoft, For Honor.

Desde sua primeira aparição, na E3 de 2015, eu (e muitos outros mundo afora) logo de cara simpatizei com a obra – principalmente após a apresentação marcante do Diretor Criativo, Jason Vandenberghe. Um mundo que rachou e aproximou povos tão distintos quanto poderia ser possível. Vikings, Cavaleiros e Samurais disputando cada centímetro de terra, cada fonte de recurso disponível (por menor que fosse), na espada, lança e machado.

O vídeo do gameplay, apresentado na E3 deste ano – com parte da campanha Viking no modo singleplayer -, nos deu uma boa ideia de como funcionam os combates e impressionou pela física, visual e a possibilidade de seguir diferentes rotas para atingir os objetivos propostos.

Meu teste foi realizado em um PC, no estande da Nvidia, o que, para mim, foi mais interessante, já que utilizo o PC para jogar em casa.

Os gráficos são realmente bonitos e o cenário onde o teste era realizado, uma espécie de forte em uma região seca, era bastante detalhado.

Nesta oportunidade, utilizei apenas a classe dos Cavaleiros (Knights), com uma espada longa. Como era de se esperar, usar armadura pesada e uma espada que certamente não era nada leve te deixa um pouquinho lento. Mentira, um bocado lento – utilizar o golpe forte era arriscado, pois o tempo do swing da espada é longo e, dependendo do estado da sua HP, poucos golpes rápidos do oponente te levam à lona. Mas ao contrário de ser um problema, isso torna as estratégias de combate um pouco mais exigentes e transmite uma sensação de realismo mais acentuada. Afinal, nem todo mundo é o montanha.

Levou um tempo para acostumar-me com os controles, principalmente o bloqueio, que deve considerar diferentes instâncias – lembram de The Witcher 1 e 2? – a fim de realizar a defesa ou atravessar o bloqueio adversário com exito. Mas após vencer este primeiro desafio, é muito divertido enfrentar pequenas hordas de NPCs (realizando empolgantes execuções) e combater os adversários controlados, seja nos duelos simples ou, como ocorreu na maioria dos casos, confrontos de dois ou três contra um (HUE).

O áudio é muito bem feito, como esperado em jogos da Ubisoft, e a trilha sonora colabora com o clima da pancadaria que, apesar de não ter me viciado ali, naquele momento, provavelmente o fará com mais algumas horas de gameplay.

Ansiosos para o lançamento de For Honor em 14 de fevereiro de 2017? Eu estou.

Author: VelhoTulkas

Marketing na cabeça, game no coração. Não importa o dia, a hora e muito menos a plataforma, o que importa é o prazer de jogar.

Share This Post On