Hoje, reportei um jogador

Artigos Esports

[Relato de um jogador e sua luta entre consciência e raiva tóxica]

Hoje, eu reportei um jogador. Jogo MOBAs há muito tempo, mas essa foi a primeira vez.

Sério, eu já não aguentava mais ter derrotas tão absurdas quanto as que sofri em Heroes of the Storm. Estava cansado de jogar e jogar pra nada, de ver pessoas com incontáveis erros bobos nas partidas ou simplesmente que não ajudam o time. No ápice do meu ódio, fiz o máximo que poderia naquele momento para estragar a experiência de alguém, visto que ele arruinou a minha. Foi então que eu reportei.

keep-angry-and-rage-quitSequer dei uma justificativa. Os motivos predefinidos da Blizzard não se encaixam com o acontecido: o dito cujo não desrespeitou a mim ou ao time (será que não?), não foi preconceituoso, nem cometeu a trapaça que eu aleguei como justificativa. Ele só era muito ruim, mas não pertencia às descrições de denúncia do game. Sequer falava nada e, neste momento, percebo que ele podia nem entender o que eu dizia, visto que escrevia em inglês.

HotS é um jogo bom e ruim para se jogar mal. Em MOBAs como DotA 2 ou League of Legends, por exemplo, seus erros são mais visíveis, graças ao sistema de compra de itens e pelas rotas e funções “bem definidas” (especialmente no LoL). Mas, em Heroes, os itens são suplantados por talentos, e fica difícil analisar o que o cara planeja com seu personagem. Além disso, as lutas em equipe são absurdamente constantes e, por isso, alguém que não sabe jogar pode ser rapidamente morto, o que termina em um efeito cascata com seus companheiros eliminados e uma rota destruída. O erro de alguém facilmente arrasta seu grupo para baixo, com mortes e/ou quedas de estruturas.

video-game-rage-quitDessa forma, os jogadores ruins, assim como os bons, têm de saber se posicionar e conhecer o time adversário, e isso é característica de gente experiente. Como possuir esse know-how em um jogo com pouco tempo de vida e em fase beta, se não ter usufruído de outros títulos do gênero – ou, às vezes, nem assim? Mesmo assim, as pessoas continuam a entrar no modo ranqueado e são arrastados para cima da colocação quando surgem bons aliados no seu time.

Então, depois de tanto esforço não recompensado, precisava assustadoramente extravasar, colocar toda aquela raiva e frustração no meu alvo. Clamei por ajuda, pelo trabalho em equipe, mas em vão. Naquele momento, cansei. Critiquei a equipe, reclamei, me rebelei. Por um momento, a fúria diminuiu (um dos meus companheiros de time brincou, ao falar que “uma jovem pandaren não deveria xingar tanto” – estava com a suporte Lili), mas, ao fim da partida, a indignação persistia. Denunciei o “coitado”.

Agora, aqui estou eu, angustiado pelo jogador tóxico que achava nunca ter sido. Nunca fui muito competitivo, mas Heroes me ensinou a ser – e não sei se gostei. Talvez isso me ajude a relaxar mais, a jogar com prazer e sem querer ser o melhor. Não é hora de ser um atleta de eSports, mas apenas de me divertir. No entanto, se eu não conseguir, peço-lhes um favor apenas:

Denuncie-me.

Conselho do He-man

“Não sejam tóxicos, amiguinhos”

Um simples desenvolvedor com textura realista que quer desligar a PhysX e sonha a 120 frames por segundo. Pena que a memória é baixa.