CBLOL: Caminho para a Final (Split 2) – Afinal, a final

Artigos Esports

Estamos cada vez mais próximos da grande final entre INTZ e paiN, a aguardada decisão do Campeonato Brasileiro de League of Legends. Dividido em duas etapas, a primeira também foi vencida pela INTZ, porém a paiN parece bem mais forte que outrora. Com certeza, teremos jogos espetaculares nesta série melhor de cinco partidas, mas está na hora de falarmos sobre como eles chegaram aqui. Vamos conhecer o Caminho para a Final de INTZ Team e paiN Gaming?

PAIN: SEM DOR, NÃO HÁ GLÓRIA

A paiN chegou neste split 2 com uma modificação, mas explicável: o solo top Mylon (ex-Keyd) recebeu uma proposta do time e resolveu ser a hora de novos ares e experiências. Com isso, Leko ocupou seu lugar na Keyd. A troca deu certo para a paiN, que contava agora com um topo forte nos split pushes, um leque interessante de campeões e, mais importante, ainda entusiasmado com seu trabalho (Leko já havia declarado que não andava mais empolgado, fato este comprovado com a sua aposentadoria após a participação da Keyd neste CBLOL).

Mylon

Mylon (em destaque) foi bem no lugar de Leko

Desta forma, a nova equipe viu em Mylon a chance de crescer, e realmente isso aconteceu. Com seu caçador da selva e o suporte inspirados (SirThulio e Dioud jogaram demais neste split), brTT sempre concentrado (o maior matador de minions do torneio) e um Kami que, como o próprio brTT fala, “é deus”, a paiN foi muito superior, em comparação a ela mesma na etapa anterior, com foco, dedicação e respostas às situações adversas. Enquanto seus adversários caíam de produção, o time só melhorava e, por fim, conquistaram sua vaga para a finalíssima.

DESTAQUE: SIRT E DIOUD

Não podia escolher apenas um como destaque. Ambos jogaram demais e foram peça fundamental para a chegada do time às finais. Kami também foi incrível, mas quem acompanha o CBLOL sabe da constância do seu alto nível. Claro, SirThulio e Dioud sempre foram excelentes. No entanto, o nível atingido pelos dois nesta segunda etapa superou expectativas.

Para Thulio, a parceria com Mylon realmente ajudou bastante para seu crescimento, enquanto o francês Dioud parece ter finalmente acostumado com o novo país e com seu companheiro de bot lane brTT. A paiN agradece.

Dioud e SirThulio

Dioud e SirThulio

INTZ: LÁ E DE VOLTA OUTRA VEZ

A INTZ foi campeã com méritos do último split, tendo como grande destaque o caçador Revolta. Quando o jogador anunciou sua ida para a Keyd, muitos ficaram preocupados e as perguntas sobre como sua antiga equipe reagiria começaram a pairar pelas cabeças dos fãs e do público em geral. A resposta inicial não foi boa: uma derrota já no primeiro confronto contra a própria Keyd.

Mesmo com as dúvidas, a INTZ apenas continuou seu trabalho. Com Jockster migrando para a selva (a função que ele mais gosta de jogar) e Alocs (ex-INTZ Red) entrando para assumir a vaga de suporte, a organização mostrou, com mudanças simples, como está preparada para as adversidades. Ao reacostumar-se com a jungle, Jockster voltou a jogar muito bem. Embora houvesse o temor da falta de sinergia pela entrada em um novo ambiente, o lugar não era uma real novidade, pois as INTZ Team e Red são “equipes irmãs”, então já treinavam e conviviam normalmente entre si. Assim, a assimilação de Alocs para o grupo principal provou-se natural e, de fato, a melhor escolha (além do fato de ele ser um grande suporte).

Alocs

Alocs vai para sua quarta final regional de quatro possíveis

Resolvidos os problemas, Jockster e companhia cresceram novamente e demonstraram sua força contra todas as outras equipes depois da derrota contra a Keyd, perdendo apenas um jogo na semifinal contra a G3X. Resta saber as cartas na manga que o time trouxe, após voltar recentemente de um bootcamp nos Estados Unidos.

DESTAQUE: YANG E TOCKERS

A INTZ, assim como a paiN, é um time difícil de definir um destaque dentre seus jogadores. micaO é um exímio carregador, Jockster voltou excepcional à selva e Alocs foi incrível tanto no apoio ao carry quanto no roaming pelo mapa. Contudo, é de cair o queixo o que os jogadores das rotas do topo e do meio fizeram neste CBLOL.

Yang é simplesmente um monstro no top, seja atuando com campeões resistentes ou híbridos. Líder da posição no ranking do League of Legends, ele mostrou-se imparável em diversas ocasiões e conseguia desequilibrar partidas com split pushes acertados ou boas jogadas de controle de grupo. Da mesma forma, Tockers foi extremamente punidor neste segundo split. Seu Azir mostrou-se excepcional e é praticamente certo um ban do campeão nesta final. Com um farm constante e eficaz, o jogador quase sempre garante bons itens rapidamente e sua movimentação o deixa sempre pronto para responder aos ganks adversários.

Tockers

Tockers (na frente), Jockster e Yang (ao fundo)

A GRANDE FINAL

Com tantos destaques individuais e uma imensa força coletiva por parte de ambas as equipes, fica extremamente difícil dizer quem levantará o título. Certamente, o jogo será definido pelas falhas: apenas uma e tudo o que foi construído na partida pode ruir velozmente. Como paiN e INTZ erram muito pouco, preparem-se para ver partidas eletrizantes e, claro, demoradas. Hora de preparar a pipoca, o refrigerante e o coração: o Allianz Parque vai tremer com a final do CBLOL!

Um simples desenvolvedor com textura realista que quer desligar a PhysX e sonha a 120 frames por segundo. Pena que a memória é baixa.