Uma reflexão em tempo de Natal

Artigos

Ah, o Natal. A época em que os eternos adolescentes armam sua cruzada contra o calendário cristão nas redes sociais como se esse fosse o próprio Asmodeus — pelo jeito, a ameaça da piada do pavê e da imortal pergunta “e as/os namoradinhas/namoradinhos?” é realmente perniciosa, não?

Floquinhos de neve especiais à parte, a celebração natalina assume uma multiplicidade de significados de pessoa para pessoa. Em minha experiência, a data inevitavelmente me leva a olhar a vida em retrospectiva e sob vários ângulos — antecipando a função do Ano Novo, em que estou muito ocupado tomando danone duplo:

Dada a situação, penso neste portal e me vem: caramba! Um ano de Pulo Duplo. Seguindo a velha máxima, o tempo urge de forma inexorável.

Lembro-me da mensagem de réveillon que o King redigiu no ano passado, especialmente, da trajetória que o trouxe para cá. Agora, com mais um ciclo que se fecha, parece-me apropriado dar algumas palavras no mesmo sentido.

No último ano de minha graduação em música, dei uma guinada brusca em minha carreira acadêmica. Fundamentalmente, uma monografia sobre a trilha de Chrono Cross — que rendeu um artigo aqui — iria definir o rumo de minhas pesquisas: a grosso modo, o som no videogame. “Coisa de maluco”.

Por recomendação de minha querida professora Yara Caznok, decidi me matricular no curso de Crítica de Videogame ministrado na PUC pela igualmente estimada Flávia Gasi. Minha pretensão ali, até então estritamente acadêmica, iria se bifurcar em diferentes caminhos dentro do videogame, um deles culminando aqui.

Se o Ben de Full Throttle se deparou com bifurcações na vida, eu também posso.

Se o Ben de Full Throttle se deparou com bifurcações na vida, eu também posso.

Logicamente, nada disso se tornaria realidade sem que o desejo de meus colegas de site — esses facínoras por quem meu coração amolece — convergisse com o meu de inaugurar um espaço de produção textual diferente e de qualidade sobre games. Cabe ao leitor decidir se até agora obtivemos sucesso na empreitada ou não. Independente do resultado, garanto que foi um ano de trabalho muito prazeroso por aqui.

Essa alegria não se traduz exclusivamente em nosso ofício, mas também nas vezes em que demos a cara ao tapa e tentamos coisas novas por aqui. Penso nas lives que fizemos e nas coberturas que nos metemos a encarar. Poxa, conseguimos entrevistar a diretora de áudio de Assassin’s Creed Syndicate na BGS! No mesmo evento, cruzamos com pessoas que liam o Pulo Duplo. Esse tipo de constatação dá um orgulhinho gostoso e uma vontade de buscar mais e mais. Acima de tudo, é o tipo de coisa que me garante que acertei na minha escolha.

Estimo um Feliz Natal a todos e que nossos próximos ciclos sejam melhores ainda.

Brasileiro de estatura mediana, gosto muito de fulana mas sicrana é quem me quer. Compositor, guitarrista e pesquisador de trilha musical de videogames, meti-me a falar de jogos e pretendo continuar nesta toada por um tempo.