Desenvolvedores de jogos para PlayStation 4 elegem melhores mecânicas de 2017

Notícias Playstation 4

Para celebrar o ano incrível dos videogames que foi 2017, o blog do PlayStation convidou alguns dos desenvolvedores de títulos da sua plataforma, a fim de eleger as melhores mecânicas de jogos vistas nos últimos 12 meses.

O resultado desse levantamento, feito com as pesssoas que ajudaram a tornar o ano do PS4 mais divertido, foram os 8 jogos e 9 mecânicas de gameplay a seguir:

Gravity Rush 2

Manipulação de gravidade

A mecânica chave do jogo lançado em janeiro de 2017 foi elogiada pelo co-fundador da Guerrilla Games (Horizon Zero Dawn), Hermen Hulst, que disse ter amado “…brincar por ai com esse recurso e voar pelo mundo”. O game designer sênior de The Witcher 3: The Wild Hunt e Gwent, Michał Dobrowolski, disse o seguinte:

Eu sei que tecnicamente não é uma mecânica de jogo nova, já que foi a estrela da primeira parte da série, mas ainda é impressionante. A adição de estilos de gravidade significa que você começa a brincar com alguns truques novos. Perambular pela cidade flutuante sempre me dá um sentimento de liberdade.

Assassin’s Creed: Origins

Precisão nos controles

O diretor da Team Ninja (Nioh), Fumihiko Yasuda, afirmou que apreciou muito “o sistema que permite que você possa andar junto com um gato.”. Além disso, ele diz ter se surpreendido com a “qualidade da ação” que, mesmo tendo “mantido uma alta qualidade, nesse título foi elevada a um outro nível sensibilidade e tato”.

Damien Kieken, diretor de For Honor (da Ubisoft), elogiou Origins pelo seu sistema de “piloto automático do camelo”, que permite ao usuário desfrutar do maravilhoso mundo aberto pelos olhos de Senu. Uma experiência “Sem limitações, apenas liberdade pura”.

Nier: Automata

Um dos campeões da The Game Awards desse ano, ao levar o prêmio de “Melhor trilha sonora/música”, Nier: Automata também recebeu bastante atenção por duas mecânicas em seu gameplay:

Múltiplos modos de jogo

Jeramy Bergerson, o produtor associado da Arkane Studios (Prey), destacou a forma como o jogo migra entre diversos gêneros com maestria.

Com suas mudanças de um shoot ’em up, para um jogo de plataformas 2.5D, e depois para um RPG 3D em mundo aberto, não consigo me lembrar de ter jogado um game que, não só trocou habilmente entre gêneros completamente diferentes, mas que tenha feito isso de forma perfeita e com um nível tão alto nível de execução que eu teria jogado cada um deles como um jogo autônomo.

O Media Designer da Housemarque (Nex Machina, Matterfall), também direcionou seus elogios ao design do game.

A Platinum Games criou um jogo monstruosos que combina com sucesso elementos de jogabilidade de gêneros totalmente diferentes. Suas transições contínuas do hack’n’slash para o shooter criam uma nova experiência para os jogadores.

O sistema de upgrades

A segunda mecânica destacada no jogo fez Brad Davey, lead designer da Sumo Digital (Snake Pass), “largar o controle e admirar a engenhosidade do time por trás de Nier: Automata”.

A forma como o jogo contextualiza a atualização de 2B, 9S e A2 através do sistema de chips e a maneira como isso acompanha todo o jogo foi um golpe mestre. A mecânica do jogo e a história se juntaram para criar esse todo perfeito.

Everybody’s Golf

Dirigir os carros de golf

O diretor de The Evil Within 2, John Johanas, revelou sua diversão troll ao dirigir os carros de golfe em Everybody’s Golf, quando passou ” um bom tempo correndo em direção a outros jogadores, surpreso que ninguém o tenha reportado”.

Horizon Zero Dawn

A mecânica de steath

O grande jogo que merecia muito mais prêmios esse ano, Horizon Zero Dawn, não poderia ficar fora dessa lista. Por isso, o produtor sênior da Rebellion (Battlezone, Sniper Elite 4), James Valls, elogiou sua “gratificante mecânica de stealth” e diz ter amado esgueirar-se “na grama alta, examinando inimigos para identificar fraquezas e configurando armadilhas para derrubá-las como um golpe irado”.

Ativar a câmera lenta enquanto salta e tira nas máquinas com arco e flecha são facilmente meus momentos favoritos no jogo.

Hellblade: Senua’s Sacrifice

A podridão das trevas

Gavin Price da Playtonic, desenvolvedora de Yooka Laylee, afirmou que “há muito o que amar e aplaudir nesse jogo, mas o visual da podridão das trevas e o que ele representa em termos de jogo foi muito bem executado”.

Hellblade levou os prêmios de “Melhor design de áudio”, “Melhor jogo com impacto social” e um merecido “Melhor performance” para a atuação de Melina Juergens como Senua na The Game Awards 2017.

Shadow of War

O sistema Nêmesis

Um recurso chave para Shadow of War se destacou aos olhos de Raul Rubio Munarriz, diretor da Tequila Works (Rime), pela forma como sua “complexidade e – não vamos ignorar isso – crueldade, e a dimensão de suas ações são refletidas por toda Mordor.”. Román Echevarrena, produtor da RecoTechnology (Numantia), o classificou como “uma grande adição para melhorar a experiência dos jogadores em um sandbox.”. Román ainda sugeria sua aplicação em franquias como Grand Theft Auto, Red Dead Redemption ou Assassin’s Creed.

Hidden Agenda

PlayLink

O diretor de design de Hidden Agenda, Steve Goss, elogiou a mecânica PlayLink de seu jogo, onde outros usuários podem participar da obra votando para uma decisão específica, usando o seus telefones Android ou iOS, ao afirmar que ela “oferece novas oportunidades de design para desenvolvedores e uma abertura para novas audiências”.

Fonte: PlayStation.blog

 

Aparentemente fragmentado, geralmente atarefado mas certamente engajado, este profissional do ramo bancário da seus pulos duplos no mundo dos games por ser fascinado pela forma como esta "arte" influencia os indivíduos.