Análise | Days Gone

Análises PS4
7

Bom

Valeu a pena esperar?

Anunciado na E3 2016 e depois de diversos adiamentos, Days Gone foi finalmente lançado no dia 26 de abril deste ano. Mas a espera valeu a pena? O game recompensou os jogadores depois de tantos trailers e gameplays?

O início

O início do game mostra o começo da epidemia que transformou humanos em uma espécie de zumbi alucinado. Deacon St. John caminha pelo caos urbano junto de sua esposa Sarah e seu amigo Boozer. Sarah foi esfaqueada e precisa urgentemente de ajuda. É quando eles se deparam com um helicóptero da NERO, uma organização militar de pesquisa, e Deacon consegue fazer com que Sarah seja levada em segurança.

No entanto, ele fica para trás junto de Boozer, que também está machucado, e promete reencontrar a esposa no acampamento para o qual o helicóptero se dirige.

Os zumbis

Não dá pra falar de Days Gone sem explicar as espécies de zumbis existentes no game.

O primeiro e mais comum deles são os frenéticos. Com estatura de um humano médio, eles ficam por aí procurando comida e quando veem algo interessante, correm desesperados em direção ao próximo lanche.

As lagartixas são outra espécie que achei um tanto corajoso da parte dos desenvolvedores de acrescentarem. Elas são crianças que se tornaram zumbis, então são pequenas e muito fáceis de matar. Elas só te atacam quando você está fraco ou quando o jogador adentra o território das mesmas, normalmente em telhados.

Os quebradores são zumbis bombados, difíceis de derrubar e que possuem uma força incrível e as atalaias, “mulheres” de cabelos ralos e brancos, que gritam quando são surpreendidas, atraindo todos os zumbis a sua volta.

Esses dois últimos não são encontrados logo no início do jogo. Days Gone te dá um tempinho com os frenéticos e as lagartixas para que você se acostume com o combate.

E o combate?

Falando em combate, ele é simples, mas eficaz. Você pode usar armas brancas, facões, bastões e machados e com o tempo pode alterar os mesmos para deixá-los mais poderosos. Eles são finitos e se quebram com o uso. A única arma branca inquebrável é a faca que está sempre com Deacon, mas ela é muito fraca e logo acaba se tornando útil somente para execuções silenciosas.

Contudo, as armas de fogo, possuem três alternativas: pistolas, arma padrão, como a escopeta e besta, e a arma especial, que são rifles e metralhadoras de bala pesada. Elas não podem ser efetivamente melhoradas e para ter uma arma mais eficaz você precisa comprá-la em um acampamento.

As habilidades melhoram muito a eficácia dessas armas tornando-as mais precisas, rápidas e poderosas.

As missões principais

Quando o game se inicia de fato, ao colocarmos no menu de pausa, podemos ver a contagem: 720 dias passados. Isso significa que se passaram dois anos desde o prólogo, onde Sarah foi levada em um helicóptero com um cara chamado O’Brian.

Ocorrem duas missões principais paralelas durante o game. A primeira delas é uma busca por Sarah. Deacon foi atrás do acampamento onde o agente da NERO disse que estariam, mas ele foi tomado por criaturas. Ele procurou mais e mais, mas sempre acabava se deparando com um local tomado por zumbis. O normal é pensar que Sarah morreu e seguir em frente, porém Deacon nunca aceitou esse final. Quando ele descobre que O’Brian está vivo, a busca por Sarah recomeça e a esperança de que a esposa está viva floresce mais uma vez.

A segunda tem a ver com Boozer. Ele e Deacon vivem juntos desde o fatídico dia, fazem missões e enfrentam criaturas em busca de recursos. Em uma dessas missões, logo no início do jogo, Boozer é atacado por Ripers. Os Ripers são parte de um culto chamado Rest in Peace onde humanos marcam os próprios corpos com cortes e adoram os frenéticos.

Com o intuito de recrutar novos participantes do culto, eles queimam e cortam as pessoas até que elas aceitem (eficaz, não?). Boozer acaba com queimaduras de terceiro grau, tornando impossível que participe das missões com Deacon. St. John agora tem de fazer o amigo sobreviver e missões envolvendo Boozer são outra parte das missões principais.

As missões secundárias

Um recurso muito usado em Days Gone são os acampamentos. Cada região possui alguns deles que têm líderes diferentes que coordenam as coisas à sua maneira. Neles você pode comprar peças para sua moto, encher o tanque e repará-la, comprar novas armas, preencher as munições, além de entregar orelhas de zumbis (isso mesmo) que são pagas como créditos. Em Days Gone não existe dinheiro em espécie e o que você gasta para comprar itens no acampamento são créditos obtidos ao realizar missões em favor deles.

Essas missões normalmente são para caçar Ripers, assassinos e emboscadores. Os acampamentos dos emboscadores estão espalhados pelo mapa e depois de fazer a limpa, você pode entrar no bunker dos mesmos e atualizar o seu mapa com novas marcações.

Infestações também podem ser localizadas pelo mapa. Elas aparecem em uma zona vermelha que possui ninhos, locais que frenéticos usam para dormir. Ao queimá-los você libera a área fazendo com que o número de inimigos caia drasticamente.

Os pontos da NERO contém sempre uma seringa que pode ser utilizada para melhorar sua saúde, energia ou foco. Para adentrá-los você precisa encher o tanque de um gerador. Mas cuidado com os auto-falantes! Ao ligar a energia, os auto-falantes começam a funcionar, atraindo todos os zumbis da área.

O mapa e seus recursos

O mapa de Days Gone é dividido em três partes que você vai desbloqueando conforme avança nas missões principais. A sua moto é um recurso indispensável e ela é muito utilizada para desbravá-lo. Ela bebe gasolina como um Opala velho, mas não se torna um ponto negativo pela facilidade em encontrar galões para preencher o tanque. O tamanho do tanque também pode ser melhorado nos acampamentos, fazendo com que o uso da gasolina seja mais eficaz.

Você pode coletar diversos recursos pelo mapa, como sucatas, querosene, trapos, esterilizante, etc. Eles servem para fabricar itens, desde curativos até molotovs e bombas. A roda de criação foi algo que me fez passar raiva em alguns momentos, pois o mesmo lugar onde você seleciona itens é o mesmo para criá-los, então em momentos cruciais, como enfrentando uma horda, a roda de itens pode mais atrapalhar do que ajudar. Talvez se a criação fosse em um lugar diferente da seleção, isso poderia melhorar o recurso.

As hordas

Falando em hordas, elas são o que mais chamou a atenção nos trailers e gameplays do game. É fácil lembrar a primeira vez que me deparei com uma horda, porque o sentimento de desespero ao se deparar com uma é real.

Porém, foram raros os momentos onde matar uma horda foi divertido. Mesmo no final do jogo, onde você aprende como fazer novas bombas e tem as melhores armas, matar hordas pode ser um problema.

Isso se deve aos recursos, que você deve grindar para obter. Mesmo melhorando seu level nos acampamentos, você não pode comprar itens como molotov e outras peças essenciais para a criação. E grindar é chato quando não se sabe exatamente onde procurar e em Days Gone não há um local específico para fazer isso.

As últimas missões do game envolvem matar algumas hordas, porque, bem, você já deve estar pronto a essa altura, não é mesmo? Em alguns casos elas estão em locais que ajudam o jogador a fazê-lo, com explosivos espalhados pelo mapa. No entanto, em outros, os explosivos são raros e seus recursos também, tirando toda a diversão de enfrentar uma onda de zumbis.

A história

A história de Deacon é muito marcada pelo antes e depois. Antes de perder Sarah, antes da epidemia e depois dela. Como Sarah está desaparecida, ou morta, você acaba a conhecendo pelas memórias de Deacon que são mostradas em cenas frequentes durante o game.

A questão de ser um motoqueiro e participar de um moto clube também está muito presente. Se você assistiu Sons of Anarchy, irá reconhecer alguns costumes e tradições.

No geral, a história de Days Gone é simples e muitas vezes previsível. Mas entretêm. O game conseguiu me divertir e me fazer ter vontade de retornar a ele quando parava de jogar. O grande problema de Days Gone acaba sendo o seu tamanho.

Como já mencionei, o jogo possui três mapas. O terceiro deles é separado dos demais, fazendo com que você não tenha acesso aos mapas anteriores. Esse terceiro mapa também tem acampamentos, emboscadas e infestações. Ou seja, é a mesma coisa, mais uma vez. Mas ao chegar nesse terceiro mapa você já viu tudo isso. Duas vezes. Por causa disso, o sentimento do final do jogo é acabar logo, o que não é legal.

Com certeza Days Gone poderia ser melhor apreciado se fosse um jogo menor.

E os bugs?

Não sei vocês, mas os bugs que me irritam mesmos são aqueles que me atrapalham de jogar. No início de Days Gone me deparei com alguns bugs de posição. Por exemplo, uma vez joguei uma pedra em um carro para atrair um inimigo e ele subiu no carro e ficou rodando loucamente em cima dele. Considero esses bugs inofensivos e até divertidos.

Mas infelizmente Days Gone possui alguns bugs do tipo inconveniente e o engraçado é que eles aparecem mais no final do jogo. Como é um game que ficou muitos anos sendo feito, talvez no final eles precisaram correr para entregar logo o produto. E isso é perceptível.

As quedas de FPS são notáveis quando se está andando de moto pelo mapa e no final do game, depois de um load, o game travava um pouco antes de iniciar de fato.

Uma missão que ficava fora do mapa e inacessível, onde precisou ser reiniciada e um crash, nos créditos finais do jogo que me impediram de ganhar a conquista de término são exemplos de bugs chatos encontrados.

Conclusão

No entanto, mesmo com alguns problemas, Days Gone consegue trazer diversão para o jogador. E esse é o intuito de todos os jogos. Não é preciso uma história complexa para fazer com que o jogador se divirta e Days Gone sabe disso.

Em resumo, se fosse um jogo menor e mais lapidado, com certeza Days Gone seria melhor aproveitado.

Positivo

  • Combate fluído e divertido
  • Missões variadas
  • História simples e envolvente
  • Game cumpre no quesito diversão

Negativo

  • Roda de recursos atrapalha em momentos críticos
  • Enfrentar hordas não é tão divertido quanto deveria
  • Bugs no final do jogo podem atrapalhar
  • Jogo mais longo que deveria ser
7

Bom

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.