Análise | Tell me Why: a nova narrativa da Dontnod

Análises PC Xbox One
6

Justo

Desde que fez Life is Strange, a Dontnod está nos meus holofotes. Sempre que um novo jogo da desenvolvedora é apresentado, eu sento na ponta da cadeira e presto atenção. Não foi diferente com Tell me Why. Um game narrativo que segue irmãos gêmeos que devem desenterrar o passado ao voltar para a cidade natal.

Os Ronans

Tell me Why segue os irmãos Ronan, Tyler e Alyson, que estão se reencontrando depois de 10 anos. Eles sempre foram muito unidos em suas aventuras na infância, sendo os Goblins Travessos, personagens que interpretavam e criavam histórias envolvendo travessuras, aventuras e a Princesa, personagem da mãe dos gêmeos, Mary-Ann.

O motivo dos irmãos terem ficado tanto tempo separados é exatamente Mary-Ann, que após ameaçar os filhos com uma arma durante uma noite chuvosa, é morta por Tyler. O garoto, então, passou esses dez anos em um centro de reabilitação, enquanto Alyson continuou na cidade onde nasceram, Delos Crossing.

Os Ronan retornam a Delos Crossing em Tell me Why
Os Ronan retornam a Delos Crossing (Reprodução: Priscilla Brentan/Dontnod)

O reencontro dos dois é tratado com muita ansiedade e com alguns assuntos pendentes. A vida dos irmãos foi muito marcada por Mary-Ann e no geral, de forma negativa. Agora eles devem retornar a casa onde cresceram para colocá-la a venda e fechar definitivamente esse capítulo em suas vidas. Porém, ao encontrar um livro no quarto de Mary-Ann, as coisas mudam completamente.

Tyler e a representatividade trans em Tell me Why

Um dos pontos positivos de Tell me Why é o trabalho de pesquisa e cuidado que tiveram com Tyler, um homem trans. Não posso dizer se ele é bem representado, mas é a primeira vez que vejo um personagem trans que pode ser controlado pelo jogador em um game e isso é ótimo.

O fato de Tyler ser trans tem grande importância na trama. A ameaça e perseguição da mãe acontece porque o garoto cortou o cabelo bem curto. Ele precisou, então, revidar e atacá-la, ocasionando na morte de Mary-Ann e alguns anos de terapia para Tyler se descobrir e tentar superar o ocorrido.

Quando vele volta para a cidade, com um novo nome e aparência, vemos diversas reações de outros personagens, algumas boas, outras confusas e ruins.

Os Goblins Travessos e a Princesa

Os jogos da Dontnod sempre costumam tratar de pontos sensíveis como bullying, suicídio, xenofobia e com Tell me Why não é diferente. Além de falar sobre transfobia, ele fala também sobre depressão.

Com o andar da trama, vamos descobrindo mais sobre a infância dos gêmeos e, mesmo com o ocorrido com Mary-Ann, descobrimos que ela tentou ser uma boa mãe em grande parte do tempo, incentivando os filhos a ler e criar histórias, deixando o lado artístico das crianças livre.

O Livro dos Goblins
O Livro dos Goblins (Reprodução: Priscilla Brentan/Dontnod)

Prova de como ela levava a sério o Livro dos Goblins, uma coletânea de histórias criada pela familia Ronan, é o puzzle que o jogador deve resolver para entrar no quarto de Mary-Ann, envolvendo uma das histórias do Livro.

Porém, Mary-Ann tinha diversos problemas que as crianças não compreendiam e agora adultos, Tyler e Alyson buscam entender o que afligia a sua mãe e responder algumas questões não resolvidas.

Puzzles, Memórias e a Voz

Essa mecânica de resolver quebra-cabeças utilizando o Livro dos Goblins como base, irá acontecer mais de uma vez, então prepare-se para a leitura, que acaba sendo prazerosa, dos contos criados por Mary-Ann e pelas próprias crianças.

Outra mecânica utilizada em Tell me Why são as memórias dos gêmeos e a Voz, como eles mesmo a chamam. As memórias são acontecimentos que podem ser revividos por ambos os irmãos, nos revelando mais da história e passado dos Ronans. Elas podem ser acessadas em pontos específicos do mapa. Muitas vezes, as memórias de ambos possuem algumas diferenças e cabe ao jogador escolher um lado: a memória de Tyler ou Alyson? Dependendo da escolha, o vínculo dos irmãos é fortalecido ou quebrado. Vou falar mais um pouco dessas escolhas a seguir.

As memórias dos Ronan são uma forma de explorar o passado em Tell me Why
As memórias dos Ronan são uma forma de explorar o passado (Reprodução: Priscilla Brentan/Dontnod)

Outro recurso utilizado pelo jogo é a Voz, uma espécie de telepatia utilizada pelos irmãos, que permite que eles conversem entre si sem outras pessoas interferindo. A Voz é utilizada para fazer comentários e tomar certas decisões em frente a outras pessoas, sem que elas possam escutar a conversa dos gêmeos.

Decisões, história e personagens

Um ponto padrão em todos os jogos da Dontnod até agora são as decisões que o jogador deve tomar, que ocasionam em diferentes caminhos e finais para o game. Normalmente, essas escolhas são difíceis, fazendo com que o jogador fique algum tempo olhando para a tela, pensando os prós e contras.

Infelizmente, isso não acontece em Tell me Why. As decisões são rasas e simples e nenhuma delas me afetou como eu gostaria que afetasse. Não senti aquela necessidade, como foi em Life is Strange por exemplo, de pensar com cuidado antes de tomar uma decisão. Minhas escolhas foram feitas de forma rápida e mesmo assim as consequências delas não me afetaram.

Achou que não ia ter referência a LiS em Tell me Why?
Achou que não ia ter referência a LiS? (Reprodução: Priscilla Brentan/Dontnod)

Tell me Why possui três capítulos que saíram em um intervalo de uma semana entre eles, o que é ótimo, pois nos mantém na história e em contato com os personagens por mais tempo. Porém, mesmo com uma história contada de forma contínua e em contato com Tyler e Alyson sem muitas interrupções, eles não me envolveram. É possível – e necessário – sentir empatia pelos Ronan, mas eles não foram profundos e simpáticos o suficiente para fazer com que eu me importasse e sofresse junto com eles.

A história é bem fechada e explica os mistérios desenvolvidos e contém algumas reviravoltas que me surpreenderam, mas no final ela acaba sendo rasa, com escolhas e personagens inferiores ao padrão que costumava ver na Dontnod.

Conclusão

Tell me Why traz alguns pontos positivos para os jogos da Dontnod, como um tempo de espera menor entre os capítulos, além da representatividade de um personagem transgênero, mas as escolhas rasas junto com personagens que não são cativantes, fazem desse o jogo mais esquecível da desenvolvedora.

Siga o Pulo Duplo nas Redes Sociais!

Positivo

  • Representatividade de um personagem transgênero
  • Discussão de temas como transfobia e depressão
  • Espera entre os capítulos menor

Negativo

  • Escolhas rasas, sem consequências marcantes
  • Personagens não são cativantes e envolventes
  • Em um jogo focado na narrativa, esse deveria ser o ponto forte, mas não é
  • Esquecível e sem profundidade

Resumo

Tell me Why traz alguns pontos positivos como representatividade trans e discussão de temas sensíveis, mas os pontos negativos, como escolhas rasas, acabam ofuscando a obra.
6

Justo

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.