fbpx

Análise | Life is Strange: True Colors

Análises PC PS4 PS5 Switch Xbox One Xbox Series
10

Maravilhoso

Life is Strange conquistou muitos fãs desde a publicação do seu primeiro jogo lá em 2015. Tratando de temas sensíveis como bullying e suicídio, o game atraía e deixava os jogadores ansiosos pelo próximo capítulo, forma de lançamento que estava fazendo sucesso na época. A Dontnod continuou com a série em Life is Strange 2 e também fez outros jogos com formatos parecidos como Tell me Why

Os fãs acharam estranho e ficaram com o pé atrás quando outra desenvolvedora ficou responsável por Life is Strange: Before the Storm, que contava os acontecimentos antes do primeiro game. Acabou que o jogo foi bem aceito e se manteve fiel a franquia e aos fãs.

Essa desenvolvedora é a Deck Nine, que agora retorna não com um jogo spin-off, mas com um Life is Strange 3, ou, Life is Strange: True Colors.

Alex Chen e Haven Springs

O pilar de Life is Strange é inserir um personagem com poderes especiais no cotidiano. Tivemos Max com o poder de voltar no tempo, Daniel com telecinese e agora Alex que consegue sentir e controlar emoções. Ela está saindo de um orfanato para se reencontrar com o irmão, Gabe Chen, depois de oito anos separados. Ele vive em uma pequena cidade no Colorado, Haven Springs, palco de toda a trama do game.

Aos poucos o jogador será apresentado aos principais moradores da cidade. Ryan, melhor amigo de Gabe (e uma das opções amorosas de Alex), Steph que é a voz da rádio de Haven e dona da loja de discos da cidade (e a segunda opção amorosa de Alex).

Steph e Rick são as opções de romance em Life is Strange: True Colors, mas você pode escolher ficar com nenhum deles.
image-278145
Você pode escolher entre Ryan e Steph (ou nenhum dos dois) para ter um relacionamento amoroso

Como uma cidade de mineradores, Haven está passando por mudanças, com a Typhon, uma multinacional esperando a votação do conselho para expandir a atividade mineradora na cidade. 

Muitos outros personagens fazem parte do círculo de amigos de Gabe e Alex e todos eles são bem construídos. Aliás, sabemos desde os trailers e a própria sinopse revela que Gabe irá morrer e que isso vai mover toda a história, mas mesmo tendo essa informação, é difícil passar pela morte do personagem, que é divertido e simpático.

O poder da empatia

Alex tem o poder que considero o mais complexo da franquia Life is Strange. Ela consegue saber o que os outros estão sentindo vendo uma aura envolta delas. Aura vermelha = raiva, Azul = Medo, Amarela = Alegria e assim por diante. Vendo os sentimentos, podemos ver o que os causa. O mesmo pode ser observado em objetos que carregam uma carga muito grande de emoção.

Se o sentimento de uma pessoa for muito forte, Alex vai além de descobrir o que os outros estão sentindo, ela passa a senti-los, o que pode ser muito perigoso. Há uma situação onde Alex sente o medo de uma criança e passa a ver o que ela vê. Mesmo sendo uma causa de medo imaginária, o sentimento é muito real.

Se alguém está sentindo uma emoção muito forte, Alex pode ler esse sentimento.
image-278146
Pessoas e as vezes objetos possuem auras que são fortes emoções

Além disso, Alex pode absorver essas emoções livrando as pessoas de raiva, medo e outros sentimentos negativos. Também é possível perscrutar o sentimento, analisando objetos ao redor, para descobrir o que poderia fazer alguém que está triste ser devidamente consolado. 

Após cada percepção das emoções dos personagens, Alex faz anotações em seu diário que revelam mais sobre cada um deles. Ler as mensagens no celular e no MyBlock também são uma ótima forma de se inteirar melhor com o que está acontecendo ao seu redor.

É muito interessante ver como a habilidade de Alex pode ser usada de variadas formas, muda a percepção ao seu redor e afeta a protagonista.

A jornada por respostas em Life is Strange: True Colors

Após a morte de Gabe, que é chamada de acidente por alguns e assassinato por outros, Alex irá perseguir a verdade. Com ajuda dos seus amigos ela irá passar por alguns momentos desafiadores, onde o jogador deve tomar uma decisão crucial para a história. 

As decisões é um dos outros pilares de Life is Strange e não poderiam faltar no terceiro jogo da franquia. Felizmente as escolhas são bem executadas e você realmente sente que elas causam impacto na sua jornada.

Apesar da morte de Gabe ser o cerne principal, Alex irá se divertir. O capítulo dois traz um jogo de LARP (RPG ao vivo) que é uma das partes mais divertidas do game.

O LARP é uma das partes mais divertidas de Life is Strange: True Colors
image-278147
Fazer o LARP foi bem divertido!

Life is Strange: True Colors traz mudanças para melhor

Como citei anteriormente, Life is Strange vinha mantendo a tradição de ser lançado em capítulos, com datas de lançamentos entre mais ou menos dois em dois meses. Life is Strange: True Colors continua sendo em capítulos, mas foram lançados todos de uma vez, fazendo com que não houvesse quebra da trama. Você continua envolvido entre um capítulo e outro e fica a cargo do jogador decidir se quer iniciar prontamente o próximo capítulo ou jogar mais tarde.

Outra melhora notável foram os gráficos, tanto de cenário quanto de personagens. Usar a captura de movimento faz com que as expressões sejam muito mais notáveis e reais, algo essencial em uma história que fala muito sobre emoções.

O celular de Alex pode ser uma ótima fonte de informações
image-278148
O seu celular é uma ótima fonte de informações!

Colecionáveis e mini-games

Os episódios da franquia Life is Strange normalmente guardam segredos, como colecionáveis e algumas cenas únicas. Em Life is Strange: True Colors não existem colecionáveis, mas momentos onde você deve relaxar e refletir, assim como ajudar outros moradores com simples questões. São nesses momentos que ouvimos a trilha sonora do game que com certeza vou procurar mais tarde no Spotify. Como padrão dos jogos Life is Strange, você pode acessar os capítulos no menu principal e retornar caso tenha deixado algo para trás.

Alex praticamente vive e também trabalha em um bar que tem como proprietário Jad, o simpático pai de Ryan, ela possui a sua disposição alguns mini-games que podem aumentar muito as suas horas, pois são desafiadores e viciantes.

Conclusão

Life is Strange: True Colors se consagra como um dos melhores jogos da franquia, com personagens carismáticos, uma história envolvente e escolhas significativas. A Deck Nine fez, mais uma vez, um ótimo trabalho.

Life Is Strange: True Colors está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X/S, Nintendo Switch e PC, via Steam, Essa análise foi feita no PlayStation 4 com chave gentilmente concedida pela Square Enix.

Siga o Pulo Duplo nas Redes Sociais!

Positivo

  • Trama envolvente
  • Personagens carismáticos
  • Impacto das escolhas é sentido pelo jogador
  • Capítulos lançados de uma só vez
  • Melhoria gráfica comparada com os jogos anteriores
  • Além da missão principal, outras atividades são divertidas
  • Ótima trilha sonora

Resumo

Life is Strange: True Colors traz personagens carismáticos em uma pacata cidade do Colorado, Haven Springs, que se vê envolta em uma trama de mistério e conspiração da qual Alex Chen deve utilizar os seu poderes para trazer a verdade á tona.
10

Maravilhoso

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.