fbpx

Análise | Omensight

Análises PC PS4 Switch Xbox One
7.5

Bom

Urralia é uma terra onde várias tribos de animais viviam em harmonia, até que a tribo das aves, Pygaria, tentou dominar Rodentia, a tribo dos ratos. Omensight começa no fim dessa guerra, na noite da grande invasão. Uma batalha que acabará com a guerra de uma vez e também com o mundo. Durante esse caos, o mundo invoca a Harbinger, uma criatura mitológica que aparece apenas para prever o fim do mundo.

No decorrer da guerra encontramos Draga, a comandante do exercito de Pygaria e Ludomir, um Urso que fez parte da resistência de Rodentia. Esse encontro acaba unindo a Harbinger com a alma desses personagens. Porém mesmo com os esforços despendidos, Urralia acaba por ser totalmente destruída por Volden, o avatar do vazio. E antes de cair nas presas do Deus da destruição, a Harbinger é levada para a árvore da vida pelos poderes da Bruxa – The Witcher – que lhe explica toda a situação.

O jogador se depara com o fim do mundo e precisa achar pistas durante o ultimo dia para evitar que ele seja destruído. Munido apenas de alguns fatos, como a morte da Sacerdotisa sem Deus – que era a responsável pelo equilíbrio entre o bem e o mal-, ou que Indrik, o imperador de Pygaria, estava conduzindo um ritual obscuro. A árvore da vida permite a Harbinger voltar no tempo e acompanhar o dia das pessoas as quais ela se conectou, no caso Draga e Ludomir, podendo alterar o destino do companheiro.

Essa é a grande sacada de Omensight, voltar no tempo e refazer o dia das pessoas, coletando novos fatos e tentando desvendar o mistério da morte da sacerdotiza enquanto tenta evitar o fim do mundo. Durante o desenvolver do game, temos 4 grandes atos até o fim do mesmo. Sempre fazendo que as novas pistas influenciem o jogador. Por exemplo, alguns NPCs podem abrir portas fechadas com uns selos mágicos e o Harbinger pode aprender esses selos, levando a caminhos novos durante a jornada com Ludomir ou Draga.

Deixando de lado a parte da história, o título tem uma trilha sonora bem agradável, que combina bem com todos os cenários e a dublagem está sensacional. Existe um peso muito forte nas vozes dos personagens e eles passam bem sentimentos como raiva, frustração ou calma. Essas entonações são importantes, pois estamos num cenário onde o mundo irá acabar em 24 horas, e em certos momentos não existe um pingo de esperança nos personagens e acredito que precisava mesmo ser retratado dessa forma para uma maior imersão.

Os game tem uma visão em terceira pessoa, com a camera seguindo o personagem e com mudanças de ângulos bem executadas, bem como deixar objetos transparentes para não impedir a visão do jogador. Essa visão ajuda muito nos combates evitando frustrações como ataques que vem do nada. Falando em combates, os de Omensight são bem simples, você tem uma esquiva e dois ataques – forte e fraco –  que podem ser combinados de várias formas, podendo atordoar oponentes ou joga-los pra cima, continuando o combo no ar.

Durante sua jornada, você acumula experiência e gasta elas para evoluir após retornar à árvore da vida ao fim de sua sessão de exploração. A cada evolução, você ganha uma nova habilidade como deixar o tempo mais lento, lançar uma bola de energia nos oponentes, um dash, que pode ser utilizado para se posicionar melhor no combate, e um agarrão que pode jogar oponentes ou itens para qualquer lugar.


Apesar de simples, esses combates podem ser tornar bem violentos a medida que o jogo evolui. No final do jogo eu estava 100% focado para não apanhar dos vários oponentes que me cercavam na tela, tendo que bater e esquivar numa precisão absurda. Em resumo, os combates são divertidos!

Um dos pontos negativos é o fator replay, sim tudo bem que é um jogo de voltar no tempo, mas eu realmente queria poder começar um new game +, para tentar resolver os mistérios que deixei passar. Mas o game não permite você continuar uma vez que finalizado, podendo apenas lutar contra o último boss ou começando do zero.

Omensight é um jogo que ganhou minha atenção pela ideia de viagem no tempo e tentar mudar o futuro. Para alguns pode ser repetitivo demais ficar voltando no inicio do dia sempre, mas para algumas pessoas que curtem essa mecânica, tipo eu, se torna bem divertido. O game não tinha nenhum patch de correções quando joguei e alguns bugs foram encontrados, mas nada que tirasse o brilho do jogo.

Siga o Pulo Duplo nas Redes Sociais!

Positivo

  • Ótima premissa
  • Personagens marcantes

Negativo

  • O combate não é tão responsivo

Resumo

Omensight é um game de mistério de ação e assassinato. No papel de Harbinger, evite a destruição do mundo enquanto explora uma rica história, personagens marcantes e apresentação que superam até os problemas desta obra.
7.5

Bom