Análise – One Punch Man: A Hero Nobody Knows

Análises PC PS4 Xbox One
6

Justo

One Punch Man é, de longe, um dos maiores sucessos entre os animes shounen da atualidade. Reverenciado, era esperada a chegada de um game baseado na série. E temos One Punch Man: A Hero Nobody Knows, publicado pela Bandai Namco e desenvolvido pela Spike Chunsoft.

A abertura “Freaking Out!” é cantada pela JAM Project, famosa banda de anime songs.

Começamos o game com a criação do seu próprio herói, o avatar que te guiará pelo mundo do anime. Aqui temos a oportunidade de caracterizar o nosso personagem. Infelizmente, não podemos fazer muito. São pouquíssimas as opções de customização, com apenas 5 opções de camisas, calças e acessórios. E no quesito corpo, além da definição do sexo, temos três opções de rostos. E algumas opções de customização não funcionam, com itens de acessório, a exemplo de um tapa-olho, flutuando por cima da cabeça do personagem.

ONE PUNCH MAN: A HERO NOBODY KNOWS
Foi o que deu pra fazer na criação do avatar.

Herói criado, partimos para uma grande jornada de feitos heroicos pela “Cidade”. Como um game baseado em anime, a jogabilidade segue o clássico estilo de luta 3d em arenas circulares, presentes em tantos títulos do gênero, boa parte deles desenvolvidos pela Spike Chunsoft. Em resumo, o jogador terá que realizar tarefas e missões para progredir em seu rank de herói. Iniciando na Classe C, você terá que seguir até a tão esperada Classe S ao fazer tarefas para a Associação de Heróis, conseguindo pontos de experiência e prestígio.

Quem jogou Jump Force (também desenvolvido pela Chunsoft) verá a semelhança total entre os jogos. O problema é que em One Punch Man: A Hero Nobody Knows é tudo ainda mais simplório. As missões são sempre as mesmas, com batalhas e entrega de itens. E essas tarefas são ridículas. Muitas delas, o jogador é incumbido de levar um item de um NPC para outro, às vezes simplesmente cruzando uma ou duas ruas. E nas batalhas, temos uma variação de 10 personagens que são praticamente idênticos.

ONE PUNCH MAN: A HERO NOBODY KNOWS
Esse lindo alienígena virá em diversas cores e formatos.

Realizar missões para a Associação não apenas evolui seu ranking, mas permite que você consiga dinheiro para comprar novas habilidades, roupas e até visuais para os personagens. Na verdade, a única motivação para jogar o modo história é conseguir as habilidades para melhorar seu personagem e desbloquear outros.

One Punch Man segue a receita básica

Todos os principais personagens do anime estão no game. Mas eles precisam ser desbloqueados no modo história para serem disponibilizados externamente. Apesar de chato e maçante, com cerca de sete horas é possível finalizar este modo. Caso o jogador fique empolgado (esse sim é um herói), é possível passar pelo menos 12 horas de jogatina.

ONE PUNCH MAN: A HERO NOBODY KNOWS
Apesar de ser o protagonista na série, Saitama é um coadjuvante no game.

A Hero Nobody Knows segue o estilo simples de jogos de luta modernos, com batalhas de equipe 3×3 com troca entre os personagens. A diferença em relação ao Jump Force é que cada personagem do time possui sua própria barra de vida. Outra diferença é que cada personagem possui um estilo próprio de luta, como artista marcial, porradeiro, usuário de armas e outros. Com nove estilos, a variedade de desenvolvimento do herói próprio torna-se maior ao finalizar o modo história.

Porém, o grande destaque do game são os personagens originais da série. As animações e modelagem dos personagens como Saitama, Atomic Samurai, Genos e outros. Eles são utilizáveis nos modos Versus online e local, além de modos livres de batalhas e missões ranqueadas. Jogar despreocupado qualquer um dos modos de jogo externo a história é o mais divertido.

ONE PUNCH MAN: A HERO NOBODY KNOWS
Genos é um dos melhores personagens jogáveis. E tê-lo como aliado nas batalhas ajuda muito.

Infelizmente, nem tudo são flores no modo online. Na versão que testamos para Xbox One, as partidas onlines foram difíceis de jogar. Muitas vezes com conectividade instável, falta de jogadores ou queda de frame. Este último problema acontecia muitas vezes durante algumas batalhas.

Apesar de repetitivo, One Punch Man: A Hero Nobody Knows introduz duas mecânicas de jogo dignas de nota. A primeira é a “convocação do herói”, onde os personagens escolhidos como secundários demoram cerca de 30 segundos para chegar ao cenário. Caso o personagem escolha o protagonista Saitama, o famigerado “One Punch Man”, ele sempre será um personagem secundário, demorando quatro vezes mais para chegar ao campo de batalha. Chegando lá, Saitama derrota os adversários com apenas um soco. Literalmente, apenas um ÚNICO SOCO. Apesar de estranho, a mecânica encaixa muito bem com o enredo do anime.

Algumas mecânicas deixam as batalhas um pouco mais divertidas.

A segunda mecânica são os eventos aleatórios, com ocorrências no campo de batalha que dificultam ou facilitam as lutas. São tempestades, chuvas de meteoros, inimigos e heróis caindo do céu e interferindo na luta. É divertido, já que lutas inteiras podem ser definidas se o jogador utilizar os elementos a seu favor.

Faltou ousadia e inovação

One Punch Man: A Hero Nobody Knows tenta jogar no seguro com a velha fórmula de jogos de luta de anime. Infelizmente, a Spike Chunsoft decepcionou mais uma vez. O jogo repete os mesmo erros do Jump Force. Gráficos simplórios, poucas opções de jogo, personagens com golpes repetitivos e muitas vezes desbalanceados. Infelizmente, a Bandai Namco continua apostando neste estúdio de desenvolvimento que só acumula falhas ao longo dos anos. E os “haters” não podem dizer que “todo jogo de luta de anime é ruim”, pois existem excelentes exemplos (da própria Bandai) como Naruto Ultimate Ninja Storm e o recente My Hero One Justice.

Ao jogador que é muito fã de Saitama e demais heróis do anime, o game pode agradar e entreter por algum tempo. Mas vale frisar que boa parte da diversão está atrelada a sua ligação com o anime. Caso não tenha, é melhor procurar um outro título.

*Análise feita com a versão para Xbox One fornecida pela Bandai Namco.

Positivo

  • História fiel ao anime
  • Boa trilha sonora
  • Dublagem com vozes originais do anime

Negativo

  • Missões sem sentido e repetitivas
  • Gráficos pobres e designer de personagens simplório
  • Pouco conteúdo

Resumo

Viva as aventuras de um herói em início de carreira com One Punch Man: A Hero Nobody Knows. E tente sobreviver com o poder de seus punhos.
6

Justo

Jornalista, analista de mídias e sergipano com orgulho. Apaixonado por "quase" tudo que vem do Japão, em especial animes e jogos. Um eterno sonhador que sempre busca novos desafios!