Análise | Resident Evil 3 Remake

Análises PC PS4 Xbox One
8.5

Ótimo

Como mencionei na prévia, Resident Evil 3 foi o primeiro game da franquia que joguei e se não o primeiro, um dos meus primeiros contatos com o terror em video-games. Apesar de ter jogado lá no início dos anos 2000, algumas cenas ficaram marcadas.

Por isso, fiquei bastante empolgada em saber do remake do game. Mas será que ele conseguiu cumprir as expectativas dos saudosistas e ainda agradar a novos jogadores?

Raccoon City

Começamos o game no início do caos. O vírus T acabou de tomar a cidade e Jill Valentine, membro da S.T.A.R.S está buscando trazer justiça a Umbrella, corporação por trás de tudo.

O vírus, que transforma os infectados em zumbis, rapidamente se alastrou e já vemos uma Raccoon City pós-apocalíptica. Os saudosistas vão reconhecer diversos cenários, como a loja de armas, o desenho no chão feito por giz e os esgotos.

Quem jogou o remake de Resident Evil 2 irá visitar a delegacia mais uma vez além de ver, dessa vez de relance, outros locais como a Torre do Relógio e aquele estacionamento marcado pelos cachorros zumbis.

Gameplay

Falando em Resident Evil 2, o game foi utilizado como base para construir o remake do terceiro jogo da franquia, portanto, a gameplay é praticamente a mesma. Ainda temos a combinação de ervas e pólvoras, além da câmera permanecer por cima do ombro.

A diferença fica por conta da esquiva. No clássico Resident Evil 3, Jill também possuía uma esquiva, mas talvez pelas câmeras fixas, ela era muito difícil de executar perfeitamente. Agora a esquiva é mais fácil de ser feita e, se executada na hora certa, você pode realizar um combo com a faca ou, se equipada com a arma, mirar diretamente na cabeça do oponente logo em seguida. A esquiva é extremamente útil, principalmente nos embates contra o Nemesis.

Por conta disso, não temos mais a opção de usar granadas e a faca para escapar de ataques zumbis. Por citar a faca, ela não se gasta mais, permitindo que seja uma arma eficaz, pelo menos para verificar se aquele zumbi no chão está realmente morto.

Nemesis

Uma das partes mais importantes de Resident Evil 3 é o seu vilão, Nemesis. Ele é um dos vilões mais icônicos da franquia e quem jogou o clássico lembra do desespero que eram as cenas onde ele perseguia Jill.

Bom, continua sendo desesperador. Ele corre, literalmente, atrás de Jill, além de usar combo de socos, te puxar para perto com seus tentáculos e ser muito insistente.

Comparando com Mr. X, ele abrange uma área menor. Isso porque a única opção com Nemesis no seu encalço é correr. Com Mr. X você podia explorar certas salas, mesmo que de forma muito tensa, ouvindo seus passos do lado de fora. Com Nemesis o único alívio é a sala segura, ou quando acontece uma cena e a perseguição para, por enquanto.

Antes do lançamento, foi dito que o game seria mais focado na ação do que o remake de Resident Evil 2. A ação se dá principalmente nos combates contra Nemesis, porém, não significa que você não irá tomar susto com um zumbi virando a esquina.

Jill Valentine e outros personagens

Jill Valentine continua sendo um ícone feminino nos video-games e no remake de Resident Evil 3 ela está mais badass do que nunca. Conforme Nemesis a persegue e ela vai escapando de uma forma e outra, vai ficando cada vez mais suja e machucada. Nesse aspecto, ela me lembrou Lara Croft em suas aventuras. Os fãs saudosistas irão reconhecer algumas de suas frases icônicas no game.

Carlos sofreu uma repaginada no visual, com cabelos cheios e cacheados, ele continua sendo um gentil membro do Serviço de Contramedidas de Risco Biológico da Umbrella (U.B.C.S.). Você controla Carlos em duas oportunidades no game, que lhe proporciona a chance de visitar locais que Jill não visitará.

Outros personagens icônicos também retornam como Nikolai, que continua sendo muito irritante.

Monstros e zumbis

Não é somente Nemesis que está de volta, além dos zumbis, vemos diversos outros monstros que estavam presentes no game clássico. Hunter e Hunters Gamma estão de volta e eles podem ser fatais, com golpes que matam instantaneamente.

As aranhas também são um agravante a parte, com algumas delas depositando parasitas em seu corpo, que só podem ser retirados ao comer uma erva verde.

Resumindo…

O remake de Resident Evil 3 não trouxe o mesmo jogo com gráficos otimizados, como foi o caso do remake de Resident Evil 2. São os mesmos personagens, mesmo cenário e praticamente a mesma história, mas algumas cenas foram retiradas.

É um game curto, terminei depois de oito horas. Você pode jogar novamente em um modo mais difícil, claro. Em vez do modo Mercenários, presente no game original, há o modo online, o Resident Evil Resistance, que vamos falar dele em uma análise separada.

Resident Evil 3 está sendo lançado hoje, dia 03 de abril. Se você jogou o game original, mesmo sentindo falta de algumas partes, irá reconhecer e sorrir com outras. Para os novos jogadores, é uma ótima oportunidade para conhecer Jill e temer Nemesis.

Essa análise foi feita com chave do Xbox One, gentilmente concedida pela Capcom.

Positivo

  • Cenários bem construídos, trazendo nostalgia aos velhos jogadores
  • Jill Valentine continua sendo uma personagem forte
  • Nemesis é brutal e incansável
  • Apesar de muita ação, o game não abandonou o terror

Negativo

  • Muito curto

Resumo

O remake de Resident Evil 3 irá causar nostalgia em quem jogou o game de 1999 e está apresentando o temível Nemesis aos novos jogadores.
8.5

Ótimo

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.