Análise | Stardew Valley mobile

Análises
9

Incrível

Stardew Valley já é daqueles títulos independentes que habita o nosso imaginário. Lançado em 2016 e ganhando grande destaque rapidamente, o game se manteve popular com diversas atualizações, multiplayer e mods.

Mesmo assim, caso você não saiba o que é, Stardew Valley é um jogo inspirado em Harvest Moon, ou seja, um jogo de fazenda, publicado pela Chucklefish (Wargroove) e desenvolvido inteiramente por Eric Barone.

O jogo teve seu lançamento inicial no PC, chegando mais tarde nos consoles e sistemas portáteis como o Switch e Vita, mas apenas recentemente ganhou ports para iOS e Android. Logo, esta análise será pontual e destacará as mudanças que jogo recebeu para se adaptar aos celulares e tablets.

Como os outros ports, essa versão do jogo foi feita pela Chucklefish e apresenta mudanças nos controles para suporte a toque na tela e uso de gamepads para celulares. A UI e os menus receberam alterações apropriadas para os comandos por toque. O jogo possui um sistema de autosave e um outro manual, chamado de backup, que recomento utilizar sempre que desejar salvar, pois nas primeiras horas de jogo notei que o salvamento automático por diversas vezes não gravava o jogo.

Conquanto as questões técnicas, essa versão do jogo é extremamente fiel ao produto original, possuindo o mesmo visual, sem nenhuma perda de detalhes, com todas as mecânicas e eventos que fazem parte da rotina do jogo. O jogo também permite controlar a distância da câmera, possibilitando uma panorâmica de cada área completa ou um zoom para ver cada pixel do cenário. Como um jogo adaptado de um título que nasceu no PC, esse port apresenta a exata mesma experiência de sua versão original.

Passei muitas horas em minha fazenda na primeira vez que joguei Stardew Valley no PC e retornar à Vila Pelicanos alguns anos depois reascendeu o prazer e me fez lembrar de como o título do Eric Barone consegue entregar de forma perfeita sua proposta de experiência. Sempre enfatizando a importância de uma vida mais simples, calma e em contato com a natureza, o game nunca deixa de antagonizar o mundo capitalista, sintetizado pelo Mercado Joja e Morris, o relações públicas da empresa que está sempre ameaçando a cultura local e praticando concorrência desleal, com preços muito mais baixos do que o produtor local pode oferecer, uma prática bem comum de megacorporações como a Amazon.

O contato próximo com a natureza e sua resposta corporificada nos espíritos da floresta que reagem às melhorias que o jogador promove na vila, criam um mundo responsivo, atraente e confortável, similar às aventuras inocentes e de proposta carpe diem dos filmes do estúdio Ghibli. Jogar em qualquer lugar, na rua, no ônibus ou antes de dormir, parece a forma ideal de experimentar esse título e, ter essa experiência na palma da mão não poderia ser melhor.

Positivo

  • Mundo
  • Mecânicas
  • Imersão
  • Visuais
  • Longevidade

Negativo

  • Problemas no salvamento

Resumo

Leia como Stardew Valley se sai com seu port mobile
9

Incrível

Designer, jogador e leitor ávido, a lista de coisas diferentes que faço é longa demais, porém minha curiosidade e busca por entender tudo a minha volta é maior ainda. Mas e o futuro? Bem, Game Designer e escritor são meus objetivos, conseguir um desses já é uma conquista desbloqueada.