Análise | Sword Legacy Omen

Análises PC
7

Bom

RPG tático brasileiro com um toque de Darkest Dungeon e Banner Saga.

Sword Legacy Omen é um RPG de estratégia em turnos da Firecast, estúdio brasileiro. A história do game se passa em Britânia, em uma releitura do mito do Rei Arthur. Os acontecimentos se passam antes do nascimento do famoso garoto, tendo foco em Uther, seu pai. Tudo se inicia quando Merlin traz notícias urgentes a serem discutidas com Uther, mas enquanto eles se reúnem, Mércia é atacada, o lorde é assassinado e a princesa Igraine, raptada. Assim começa a jornada em busca de vingança.

O game tem um sistema de exploração livre que te permite checar o ambiente em busca de itens e documentos perdidos. Quando os heróis se deparam com um conflito, o RPG tático toma conta, com cada personagem podendo gastar certos pontos de ação (PA) que são usados desde para se movimentar até para atacar e usar habilidades.

O game bebe de algumas fontes como Banner Saga e Darkest Dungeon, desse último, utilizando o sistema de estresse, onde seus heróis possuem pontos de determinação que, se gastos, levam o jogador a perder o controle sobre o personagem. Particularmente, acho Darkest Dungeon um jogo bom, porém muito frustrante e tive receio de Sword Legacy Omen seguir pelo mesmo caminho. Felizmente no meu caso, isso não acontece. Sword Legacy Omen ainda é frustrante em alguns momentos, mas nada que possa ser reparado reiniciando a missão.

De início temos quatro heróis a disposição que vão aumentando com o andar das missões, chegando a oito no total, cada um deles com uma classe específica. Normalmente gostamos de certos tipos de heróis e usamos somente os mesmos nas batalhas, fazendo com que os demais fiquem para trás em relação a level e habilidades, mas em Sword Legacy Omen isso não acontece já que os pontos de renome, usados para comprar novas habilidades, são divididos por todo o grupo. Infelizmente o jogo é um pouco limitado nesse quesito, já que os pontos servem somente para isso e quando você compra as habilidades que lhe agradam, os pontos se tornam inúteis.

A história, mesmo sendo uma releitura, é uma fantasia clichê e não é o ponto alto do game. A exploração e batalhas são o que tornam o jogo divertido, porém, poderiam ter algumas melhorias. Era comum acontecer um “missclick” quando ia andar durante a batalha, acabando em um lugar que não queria e gastando meus PA. Seria interessante uma simulação, ferramenta presente em games táticos, onde você pode refazer seu caminho caso algum erro aconteça ou caso o jogador simplesmente se arrependa da jogada.

Outro ponto que precisa de melhoria é com relação a equipamentos. É muito comum em RPGs você vender sua armadura atual para completar o dinheiro de comprar a nova. Mas em Sword Legacy Omen isso não é possível já que você não consegue desequipar seus equipamentos. Para trocá-los é preciso ter o novo no inventário. São pequenas coisas que fariam a jogabilidade muito mais fluida.

Quando disse sobre frustração, na maioria dos casos ela acontecia quando um personagem morria, fator normal do game, onde você pode continuar sem ele, o que não recomendo pois você só tem um personagem de cada classe, ou voltar no início da missão e tentar novamente. Os saves do game são bem espaçados então se você morrer na terceira batalha da missão, por exemplo, certamente terá que refazer as duas primeiras. Porém, a minha frustração maior foi com relação a crashs em meio a batalhas. O jogo simplesmente fechava ou parava de funcionar, me forçando a recomeçar a missão em vários momentos.

Como já mencionei, o jogo é brasileiro, mas você pode jogá-lo em outros idiomas. O inglês está muito bem inserido e provavelmente você nem ficaria sabendo que o game foi criado por cariocas, exceto por algumas piadas que “entregam” a nacionalidade do jogo.

Sword Legacy Omen é um jogo divertido e com grande potencial. Demorei 16 horas para finalizá-lo, contanto as diversas vezes que tive de refazer algumas missões. Essas horas passaram rapidamente e sem esforço. O game precisa de melhorias, como citei acima, para fazer dele ainda melhor.

Positivo

  • Arte muito bem feita
  • Divertido e envolvente nas batalhas
  • Sistema de estresse não é frustrante

Negativo

  • Mecânicas podem ser melhoradas
  • História contada de forma clichê
  • Crashs constantes causam frustração
7

Bom

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.