CBLOL: Caminho para a Final (Split 2) – O meio da tabela

Artigos Esports

Depois de uma análise sobre os times relegados para a Série de Promoção, agora é a vez de falarmos sobre quem ficou no meio na tabela e com vaga garantida para o torneio do ano que vem. Embora a disputa pelo topo tenha definido mais a parte de baixo da tabela do que a de cima, rolou emoção e jogaços suficientes para provar que o nível das equipes aumentou consideravelmente nesta temporada.

Como falei anteriormente, houve pouquíssima briga para decidir os dois primeiros colocados. Os três “grandes” (INTZ Team, Keyd Stars e paiN Gaming) despontaram rapidamente e suas posições no topo não foram ameaçadas, restando saber somente qual deles ia ficar de fora da grande final. Melhor para INTZ e paiN, que jogam a decisão amanhã, a partir das 13h. Os outros times (CNB e G3nerationX) concentraram-se em garantir a vaga para o ano que vem e ter uma chance de surpreender nos playoffs.

CNB: TRABALHO ESPERADO

A CNB fez basicamente o esperado por todo mundo: ficar em quarto lugar na fase de grupos. As derrotas sofridas para os três primeiros colocados são vistas como normais, e conseguiu garantir os seus pontos nos confrontos diretos com os outros. Embora tenha dado uma pequena deslizada ao empatar com a recém-chegada INTZ Red (sem Robo), as vitórias em cima da G3X e da Kabum Black e a incapacidade de seus rivais diretos esboçarem uma reação praticamente reservaram sua vaga para os playoffs.

[youtube=”https://www.youtube.com/watch?v=hQKPBaL29J8″]

Se algo surpreendeu na equipe foi o rápido entrosamento in-game dos novatos YoDa (mid laner) e Skyer (carry), ex-jogadores da IMP, com os companheiros (mesmo com algumas brigas internas). Em compensação, o topo Aoshi e o caçador Nappon jogaram aquém de suas exibições no último split, e , assim, o time sofreu um pouco mais, especialmente nas eliminatórias. A derrota por 2×1 para a G3X, que eles mesmos haviam batido anteriormente, evidenciou tais problemas. Terminar o CBLOL na quinta colocação, enfim, não foi o melhor, mas não fugiu do esperado.

DESTAQUE: SKYER

Com o apoio do excelente suporte Wos na bot lane, Skyer fez estrago por onde passou e assumiu o papel deixado por Matsukaze de “atirador revelação” da segunda etapa. Com uma incrível movimentação, o jogador quase sempre estava no lugar certo e na hora exata para garantir um abate ou fugir de ameaças reais. Caso controle melhor algumas atitudes e entre em um clima de harmonia com seus companheiros, ele tem tudo para ajudar sua equipe a fazer uma campanha ainda melhor.

Skyer

G3NERATIONX: EMPOLGADA SURPRESA

Não há como negar a empolgação da G3X, como é chamada a G3nerationX, durante as partidas do CBLOL. Seus jogadores ficam tão exaltados que o time sofreu duas punições (perderam um ban e Krow foi suspenso por ofensas na partida contra a Keyd da semana 2), além de provocações dirigidas a adversários (“o smite do Revolta é fraco”, disse o mesmo Krow) terem reações inesperadas dos próprios rivais. Essa mania de inflamar os brios inimigos nem sempre é uma boa tática, pois uma equipe mentalmente preparada pode transformar isso em energia para responder os gritos do outro lado em concentração e garra para ganhar as partidas (a referida Keyd parece ter feito isso, inclusive).

Mesmo sem ter feito uma campanha sensacional, Professor e companhia fizeram boas partidas. Perderam para os “grandes”, mas ganharam quando era necessário contra seus rivais de “mesmo nível”. Um empate contra o último lugar Kabum Black quase pôs tudo a perder, mas seus oponentes fizeram o favor de deixar a G3X tranquila na quinta posição.

O melhor momento, no entanto, foi na fase eliminatória, ao bater a CNB nas quartas e vencer uma partida contra a INTZ nas semifinais, mesmo depois de um 2×0 de vantagem na série, mostrando força mental e capacidade de recuperação. Se bem encaixados, treinados e com foco nos objetivos (e menos falação, vai…), a G3nerationX pode ser ainda melhor em 2016. No fim, o quarto lugar da equipe mostrou-se um excelente resultado.

G3X

Professor (ao centro) estuda jogadas com seu time

DESTAQUE: PROFESSOR

Certamente, o carregador TheFoxz e o meio TaeYeon foram grandes destaques da G3X, mas Professor foi a base de sustentação para o sucesso do time. Além de demonstrar sua habilidade com campeões variados, como Alistar e Janna, era ele quem conduzia seus “alunos” nas chamadas e nos dives, geralmente com sucesso. Sua visão estratégica também possibilitou virar algumas partidas durante a campanha, adequando as táticas para melhor combinar com a proposta das composições. Em suma, o jogador assumia um papel de técnico in-game tão bem quanto jogava.

KEYD STARS: NA CORDA BAMBA

A Keyd Stars começou arrasadora a segunda etapa. Foram dez vitórias nas primeiras dez partidas (duas delas contra a então campeã INTZ) e demonstrava que estava pronta para levantar a taça dessa vez. Mesmo com as saídas de DayDream e Emperor, a organização foi rápida ao trazer Revolta (um dos alicerces da campanha vitoriosa da INTZ no primeiro split) e esA (pivô de novela judicial com a Kabum). O incansável mid laner Takeshi estava finalmente pronto para ser campeão.

Só que não aconteceu.

Revolta e Leko

Revolta e Leko se cumprimentam

A chegada de Robo e sua excelente mecânica com Ekko já haviam aprontado contra a paiN. A INTZ Red, com ânimo renovado, explorou erros que demoliram a rival na primeira partida. No segundo jogo, Ekko ficou aberto, brecha suficiente para Robo destruir a resistência inimiga. Todas as falhas da Keyd ficaram escancaradas para quem quisesse ver. Finalmente tropeçaram da corda bamba de seus erros e, então, a estrela apagou. Ainda assim, com toda a vantagem adquirida logo cedo, ficaram em segundo na tabela de classificação e avançaram direto para a semifinal contra a paiN.

Uma semana a mais para corrigir tais problemas não foi o suficiente. A cada partida, Revolta e seus companheiros afundavam em sua própria apatia. As team fights dificilmente eram positivas para o time e a vitória fácil da paiN por 3×0 deixou-me perplexo ao final da melhor de cinco. A forma como a Keyd Stars despencou foi tão avassaladora que ninguém conseguia entender. Em entrevista para o MyCNB, Takeshi dizia-se “frustrado” e ainda não havia digerido a derrota.

Nós começamos o Split muito bem, à frente de todos os times, mas erramos uma coisinha aqui e outra ali, que fomos deixando até perdermos para a INTZ.Red. Quando perdemos, começamos de certa forma a tapar os buracos e tentar corrigir os problemas que tínhamos. Com isso, paramos de evoluir e estagnamos. Os treinos foram muito bons na semana antes do jogo. Até agora não sei ao certo o fator principal que nos fez perder.

(…) A maior surpresa foi a gente ter jogado de maneira apática, irreconhecível, como você mesmo disse.

O resultado também afetou Leko, que resolveu aposentar-se do cenário competitivo após a eliminação. “Ainda durante o CBLoL eu já me sentia diferente e aquilo foi cada vez mais me afetando“, disse ele, também para o MyCNB.

 DESTAQUE: ESA

esA

Embora a Keyd tenha um rol incrível de talentos individuais, os números mostram o ótimo rendimento de esA desde a sua chegada à Keyd. Com um AMA (ou KDA) de 9 na fase de grupos – à frente de nomes como Kami (7,66) e Tockers (7,16) -, o atirador não se deixou abater com a ação judicial da Kabum! e seguiu muito bem com o seu trabalho. Quando o time degringolou, ele também teve uma queda de produção, porém manteve uma média de 5 eliminações por jogo durante as semifinais.

Um simples desenvolvedor com textura realista que quer desligar a PhysX e sonha a 120 frames por segundo. Pena que a memória é baixa.