fbpx

Riot Games: conheça os cinco jogos apresentados no aniversário de League of Legends

FPS, card game, luta, RPG de ação e até um manager de esports baseados no LoLzinho

Android iOS Notícias PC Playstation 4 Switch Xbox One

Se você achava que a Riot Games precisava explorar mais das histórias criadas para League of Legends, esteja preparado. É possível que você não dê conta de tudo.

Isso porque a Rito (como é carinhosamente conhecida aqui no Brasil) resolveu surpreender com a revelação de nada menos que cinco jogos em produção. Os games chamam a atenção, inclusive, por saírem categoricamente do universo MOBA. Conheça abaixo um pouco mais sobre cada um deles.

Legends of Runeterra

Talvez o mais adiantado e menos surpreendente, Legends of Runeterra (LoR) é um jogo de cartas (é, mais um) que parece aprender com erros e acertos dos principais títulos do mercado. Utiliza facções como Gwent, simples como Hearthstone e (inicialmente, ao menos) com uma política pouco agressiva de microtransações como… bem, praticamente nenhum deles.

Isso porque não há impedimentos para a obtenção de cartas. Precisa de determinado herói ou magia para sua estratégia fluir? Você pode criá-los com o uso de Fragmentos ou comprá-las com Moedas, obtidas com dinheiro real, sem ter de lidar com a sorte de vir ou não em uma lootbox ou booster.

LoR é um spin-off, ou seja, um game baseado em outro, então ele conta histórias do lore de League of Legends, mas também as expande. Por isso, o título tem regiões e campeões facilmente reconhecidos pelos jogadores, assim como cards com novos rostos, um motivo a mais para bolar suas estratégias em um campo de batalha diferente.

Para conhecer melhor e tentar participar de um “teste antecipado especial”, basta acessar o site e fazer o pré-cadastro. O teste estará ativado para os felizardos até as 23h do dia 20 de outubro.

Project L

Para quem está antenado com o cenário de jogos de luta, já conhece o Project L. O game, ainda sem previsão de lançamento, foi revelado na EVO (principal competição do gênero) deste ano, ocorrida em agosto.

Ao invés de palavras, dessa vez tivemos “ibagens”! Além de um cenário que lembra Shurima com o disco solar flutuando ao fundo, pudemos ver uma mecânica com movimentos rápidos e fluidos no combate. Pouco foi divulgado, mas é provável que teremos um vasto número de lutadores no título (Katarina, Darius, Ahri e Jinx são exemplos mostrados nos vídeos), e mais sendo lançados em atualizações seguintes.

Project A

Outro que vinha sendo cogitado é o FPS de League of Legends. Eu sei, parece até estranho colocar shooter e LoLzinho na mesma frase. Mas os rumores provaram-se verdadeiros e a Riot mostrou um pouco do que se trata o Project A.

É bem difícil não haver a comparação com Overwatch ou Paladins – afinal, os personagens têm poderes únicos. Todavia, o jogo ainda parece cru em comparação com outros já consolidados no mercado, então é preciso esperar antes de gerar hype ou hate, não é mesmo?

Além disso, há uma preocupação extra da empresa: a latência e os cheaters. Segundo a Riot, “vamos investir em infraestrutura global e um netcode que vai declarar guerra ao peeker’s advantage”. Teremos aqui uma chance de treinar com jogadores de todo o mundo em pé de igualdade?

Project F

Um título não mencionado, porém revelado por diversas cenas mostradas durante a apresentação é de um provável action RPG. Com cores vibrantes e, claro, personagens reconhecíveis, a obra remete ao óbvio Diablo, porém com um tom menos soturno, aos tons de Torchlight.

Em resposta ao site Polygon, a Riot Games o descreve como “um projeto que explora as possibilidades de andar pelo mundo de Runeterra com seus amigos”, o que sugere um game online multijogador, como esperado para o gênero nos dias de hoje.

League of Legends eSports Manager

Já ouviu falar de Football Manager? Pois é, a Rito decidiu criar até mesmo um simulador de eSports nesses moldes. Com ele, você poderá ser o técnico que sempre quis e gerenciar times, contratar jogadores ou revelar promessas. Você pode, inclusive, testemunhar um trailer veiculado na China para o jogo aqui (obrigado pela pérola, PC Gamer).

Embora detalhes ainda sejam escassos, o manager está previsto para 2020. Inicialmente, apenas os times chineses da LPL (LoL Pro League) estarão presentes, porém o estúdio pretende “expandir para as ligas de outras regiões”. A receita adquirida será compartilhada com os times profissionais existentes no jogo – uma boa iniciativa de apoio ao cenário competitivo.

Um game do estilo não é novidade para os chineses. Obras como eSports Legend ou ESports Club podem ser encontrados na Steam (curiosamente, eu jogo ambos).

#League10

Além de a Riot Games finalmente fazer jus ao nome games, os seus jogos originais não foram esquecidos. League of Legends e seu recente modo Teamfight Tactics (TFT) chegam em breve a dispositivos móveis e consoles, e não apenas um documentário sobre o desenvolvimento de LoL mas também uma série animada poderão ser assistidos em breve pelos fãs.

Um simples desenvolvedor com textura realista que quer desligar a PhysX e sonha a 120 frames por segundo. Pena que a memória é baixa.