The Last of Us: Part II e a queda de Ellie

Atenção para spoilers!

Artigos Playstation 4

Escrever a análise de The Last of Us 2 foi algo muito difícil e demorado, já que procurei escrever sem revelar nenhum spoiler. Esse artigo porém, será diferente e irei contar minha opinião sobre a jornada e queda de Ellie COM SPOILERS, estejam avisados!

Ellie e Joel

Conhecemos Ellie e Joel lá em 2013 com o lançamento de The Last of Us no PlayStation 3. Vemos a relação dos dois sendo construída e o final onde Joel deixa claro que não permitirá que machuquem a garota.

Ellie, por sua vez, não sabe muito bem o que aconteceu e o motivo da vacina não existir. Quando iniciamos The Last of Us 2 percebemos que a relação entre a menina e Joel não é mais a mesma, e isso deixa claro que existem assuntos pendentes. Ellie não parece muito feliz com Joel e está o evitando.

Porém, tudo muda quando Joel morre pelas mãos de Abby.

A queda de Ellie

Ele não é apenas assassinado, é torturado. Ellie assiste aos seus momentos finais, mas sai com vida. Imediatamente pensamos na vingança. Não é só a Ellie que procura se vingar, o jogador também. Somos impulsionados junto com Ellie em sua busca por vingança e faremos tudo o que for necessário, até matar alguns cães se for preciso.

Porém, questionamos também o motivo de Abby. Por quê? Ela estava a procura de Joel e quando o encontrou o matou com crueldade. O que Joel fez para merecê-lo? No início, essa pergunta consegue ser deixada de lado, todavia conforme Ellie avança, ela incomoda cada vez mais.

Ellie deixa um rastro de sangue em The Last of Us 2
Ellie deixa um rastro de sangue

Ellie leva Dina com ela, que a acompanha até descobrir que está grávida. Mesmo assim, a vingança não encerra, não pensa em retornar e segue em frente para encontrar Abby.

A motivação por vingança começa então a ser questionada. Pelo jogador, pelos amigos de Ellie, mas nunca por ela mesma. Ela cava a própria queda e somos obrigados a assistir e, pior, ajudar.

Abby, da queda a ascensão

A vingança de Ellie corre a toda e quando finalmente nos deparamos com Abby o jogo dá uma guinada e nos coloca para jogar com aquela que matou Joel, a causa de toda represália.

Ao jogarmos com Abby, temos a resposta para a pergunta levantada com Ellie. O motivo dela matar Joel é vingança. O pai de Abby era o médico que realizaria a cirurgia em Ellie para conseguir a cura e consequentemente mataria a garota, algo que Joel não permitiu.

Abby também tem amigos que arrasta consigo para cumprir seu objetivo. Alguns deles, depois de testemunharem a tortura de Joel, questionam até onde aquilo foi correto e se afastam.

Abby e Lev na busca dos Vagalumes

Ao conhecermos mais Abby, endentemos suas motivações. Justifica o fato dela ter matado Joel? Não. Mas mesmo com as falhas, eu acabei gostando da personagem. Ela, inclusive, acabou se tornando minha personagem favorita do game.

Como parte da WLF, Abby é ensinada e treinada para odiar e matar os Serafitas, uma facção religiosa. Porém, ela une forças e ajuda Lev, um garoto serafita que foi exilado. Ao auxilia-lo, Abby ajuda a si mesma e inicia o caminho para sua redenção.

Para nos aproximar tanto de Ellie quanto de Abby, o jogo utiliza as memórias de ambas. Vemos momentos de Ellie com Joel e de Abby com seu pai que nos fazem pensar em como as coisas poderiam ser diferentes.

O embate

Após conhecer as duas personagens e aprender a gostar delas, The Last of Us 2 chega no embate entre elas, onde temos de combater Ellie. Ela não pega leve, utilizando armadilhas e o cenário ao seu favor.

Ao final, com Ellie no chão, a sensação é de que estavam quites. Ellie foi em busca de vingança por causa de sua perda, que ocasionou em diversas mortes dos amigos de Abby. Abby se vingou de Joel, contudo isso trouxe mais do que bem, trouxe Ellie em sua vida e a morte de seus amigos.

Quando Abby se foi, ao poupar Ellie mais uma vez, pensei que a vingança estava encerrada. Mas para Ellie, não. E assim iniciamos a parte mais triste do game.

A pior parte de The Last of Us 2

O bebê de Dina, JJ, nasceu. Ellie e sua parceira vivem juntas em uma fazenda criando cabras. Tudo soa perfeito. Porém Ellie tem lampejos da morte de Joel que a aterrorizam. Há sequelas e não só nela, como em Tommy, que também não conseguiu superar a morte do irmão. Ele cobra de Ellie a promessa de vingança e ela se vê obrigada a deixar Dina e JJ para perseguir Abby mais uma vez. E como eu odiei ela por isso.

Abby por sua vez vive com Lev a procura dos Vagalumes. Um rumor circula sobre a volta da organização. Ao perseguir uma pista, eles são surpreendidos por uma nova facção, talvez a pior delas. Eles são levados para serem escravizados e é lá que Ellie os encontra.

Gostaria muito de ver um final feliz para Ellie e Dina

É irônico o fato de que Ellie mata diversos membros dessa facção e praticamente a destrói com o único objetivo de matar Abby. Ao salvá-la, pois a situação de Abby e Lev era bem ruim, Ellie exige que Abby lute com ela, ameaçando a vida de Lev.

Cada ataque de Ellie me fez querer simplesmente soltar o controle. Ela vai além de qualquer linha ultrapassada. Ao final, quando tem a oportunidade de finalizar Abby, ela recua – ufa – e deixa que Abby fuja com Lev. Volta pra casa com dois dedos a menos para perceber que perdeu muito mais do que isso. Perdeu sua família e a oportunidade de lembrar Joel por meio do violão, que não consegue mais tocar.

The Last of Us 2 é um jogo muito triste. Após finalizá-lo, me pegava pensando no game durante o dia e isso faz dele um jogo excelente. Caso a franquia continue, gostaria muito de ver a redenção da Ellie. Eu e ela precisamos.

Siga o Pulo Duplo nas Redes Sociais!

Amante de livros, séries, mangás e claro, amante de jogos, principalmente aqueles com uma ótima e profunda história. Estuda pedagogia porque precisa trabalhar para comprar os games no lançamento.