5 motivos para ler as HQ’s Assassin’s Creed: Julgamento Pelo Fogo e Insurreição

Assassin's Creed: Julgamento Pelo Fogo e Insurreição são as doses de tempo presente necessárias aos fãs da franquia.

Artigos Blogroll Literatura

As HQ’s de Assassin’s Creed: Julgamento Pelo Fogo e Insurreição foram lançadas em 2018 e 2019 respectivamente como compilações de séries traduzidas para o português brasileiro. Enquanto Julgamento Pelo Fogo reúne as edições 1 a 14 de Assassin’s Creed: Assassin’s em 370 páginas, Insurreição traz a tradução da série Uprising, de 12 HQ’s, em um único volume com capa dura.

Assassin' class=
image-272441
Assassin’s Creed: Insurreição e Assassin’s Creed: Julgamento Pelo Fogo

A série de história em quadrinhos é protagonizada por Charlotte De La Cruz, uma ex-funcionária do Banco de Malta (uma instituição financeira dos Templários) que foi recrutada pela Irmandade dos Assassinos em 2015. Além de tratar principalmente do tempo presente da franquia, a história retratada nessa série também mostra as incursões dos ancestrais de Charlotte dentro do Animus, do Julgamentos de Bruxas de Salem a queda do Império Inca.

Sem oferecer spoilers, separei cinco motivos para investir um tempo na leitura dessas duas obras:

1 – Uma boa dose de tempo presente de Assassin’s Creed

Mesmo com a inclusão de Layla na trilogia mais recente de Assassin’s Creed nos videogames, o tempo presente se tornou apenas uma sombra do que foi na épocas de Desmond, entre o primeiro título até Assassin’s Creed III. A série de HQ’s trouxe uma forma de abastecer os fãs curiosos sobre o que aconteceu no tempo presente entre Desmond e Layla.

2 – Conheça mais sobre outras facções desse universo

O conflito entre a Irmandade e a Ordem não é o único que ocorre no universo de AC, tendo em vista que outros grupos não simpatizam com os ideais de nenhuma das duas facções, como o coletivo hacker Erudito e Os Instrumentos da Primeira Vontade.

Assassin' class=
image-272442
Símbolo dos Instrumentos da Primeira Vontade
Fonte: Assassin’s Creed: Rogue (screenshot)

3 – Vínculos com personagens dos jogos e dos livros

Além de ter sido recrutada por Galina Voronina, mestra assassina da Irmandade Russa que aparece em Assasin’s Creed: Syndicate, Charlotte também tem contato com o Templário Otso Berg e outro personagem com uma certa ligação com Desmond Miles. Não pretendo estragar a experiência dando spoiler sobre esse último indivíduo.

Galina Voronina
image-272443
Galina Voronina
Fonte: Assassin’s Creed: Syndicate / flickr.com

4 – O Cruz Negra

Pouco explorado na série de jogos, o Cruz Negra é uma classe que foi criada pelo Inner Sanctum para combater a corrupção dentro da Ordem dos Templários. O manto dessa classe única foi usado por poucos indivíduos únicos com habilidades excepcionais, que respondem apenas ao circulo interno da Ordem.

Imagem do Cruz Negra
image-272444
Imagem do Cruz Negra
Fonte: Assassin’s Creed: Uprising (Titan Comix/Ubisoft)

Entre as páginas dessas HQ’s temos a oportunidade de vê-lo em ação, demonstrando suas habilidades que lembram um pouco as dos mestres assassinos.

5 – Conteúdo considerável sem gastar muito

Um último motivo que pode motivar o investimento nessas duas obras é seu custo benefício. Até a publicação dessa matéria, seria possível adquirir Assassin’s Creed: Julgamento Pelo Fogo e Insurreição por menos de 120 reais.

Com essas versões compiladas, o leitor poderá explorar as coleções Assassin’s Creed: Assassin’s e Assassin’s Creed: Uprising com um preço muito mais baixo se fosse comprar as obras em inglês individualmente. Para ter uma ideia desse custos, apenas um dos três volumes de Assassin’s Creed: Uprising em inglês custa quase 90 reais no varejo. Imagine quanto seria o custo das coleções originais inteiras.

Aparentemente fragmentado, geralmente atarefado mas certamente engajado, este profissional do ramo bancário da seus pulos duplos no mundo dos games por ser fascinado pela forma como esta "arte" influencia os indivíduos.